sábado, 21 de março de 2009

GANHEI UM SELO!!

Amigos do DIHITT,
Ganhei um selo MARAVILHOSO de uma amiga MARAVILHOSA. Isto é muito honroso para mim. Desculpe aos outros amigos que me premiaram com um selo anteriormente. Mas sou semi-analfabeta digital e tinha insegurança nesta área. Não sabia como utilizar o selo. Acho que ainda não sei. Deve ser algum bloqueio que vou superar agora. Com a paciência dos amigos daqui.
Muito obrigada minha amiga Fabiana, por seu carinho e lembrança em meio a mais de 10 mil blogueiros nesta rede. Sou novata neste negócio, mas tenho aprendido muito e me divertido mais ainda.

O DIHITT marca a gente.

Fabiana, você é hoje uma das melhores aqui. E uma de minhas melhores amigas aqui também. Suas matérias são de muita qualidade e seu empenho invejável. Você merece ser uma das primeiras e me soa fora de lugar receber um selo seu. Mas este selo só confirma mais ainda seus comentários em meus textos. Sempre foram comentários de relevância e de alguém que tenha lido o texto e que tenha tirado uma lição dele.
Obrigada Deus por esta rede e pelas pessoas interessantes que a gente conhece aqui. Obrigada por este selo também. Ele é seu, meu Senhor Jesus Cristo.
Premiados:
Rodrigo Piva
Km Mad
André
Maurício
Adriana Horta
Ismaelita

E o selo é este lindão aqui:

Repasso este selo para outros que de igual forma se dedicam a falar do bem e de Deus:

Rouver

Antonio Regly

Sonia Regly

JBCPoeta

Roberto Soares

Francisco Castro

Pedro.Eninha

Parabéns, amigos. Deus se alegra do que fazem.

sexta-feira, 20 de março de 2009

Coração Ferido

19 de março de 2009
Coração Ferido
“Pois eu sou pobre e necessitado, e o meu coração está ferido e atingido dentro de mim.” -Salmo 109:22
É errado ter um coração ferido? Não, um coração ferido não é errado, mas é preciso cicatrizá-lo e seguir em frente. Nos tempos do Antigo Testamento, se um sacerdote tinha uma ferida ou um machucado sangrando, ele não poderia ministrar. Acho que hoje temos um grande número de curadores feridos. Por isso, quero dizer que há um monte de gente no corpo de Cristo hoje que estão tentando ministrar para outras pessoas, mas que eles ainda têm feridas não curadas do passado. Estas pessoas ainda estão sangrando e machucando a si mesmas.

Estou dizendo que essas pessoas não podem ministrar? Não, mas estou dizendo que elas precisam ser curadas. Jesus disse que um cego não pode conduzir outro cego, porque se o fizer, eles vão cair em uma vala ambos. Existe uma mensagem na afirmação. Qual é a utilização da minha tentativa de ministrar vitória para os outros se eu não tenho vitória na minha própria vida? Como posso ministrar cura emocional para os outros se eu continuo a ter problemas emocionais não resolvidos do meu passado?
Para ministrar corretamente, é preciso ir a Deus e deixá-lo curar-nos primeiro. Penso que temos de acordar e perceber que Deus não está à procura de curadores feridos. Ele quer as pessoas com feridas que Ele pode curar e que irão, em seguida, trazer cura para outros. Deus ama usar as pessoas que foram feridas, porque ninguém pode ministrar para alguém melhor do que um que tenha tido o mesmo problema ou a mesma situação que essa pessoa.

Se ainda estamos sangrando e machucados a partir de nossas próprias feridas, não vamos ser capazes de chegar aos problemas dos outros com o mesmo tipo de fé agressiva que teríamos se tivéssemos já trabalhado por nossos próprios problemas. A questão de fundo é que precisamos deixar Deus curar-nos então, Ele pode usar-nos para trazer cura para as outras pessoas.

Do livro Novo Dia, Nova Você: 365 Devotions para Enjoying Everyday Life por Joyce Meyer. Copyright © 2007 por Joyce Meyer. Publicado por FaithWords. Todos os direitos reservados.

quinta-feira, 19 de março de 2009

Do que você tem medo?

Caros Leitores, video
Não resisti e gravei da minha televisão mesmo. Tamanha lição não pode ficar sem ser destacada. Mesmo que em um filme belíssimo e mais interessante ainda por ser verídico não poderia passar sem ser destacada esta fala do personagem de origem latina que lutava contra a força das drogas, a pobreza e a falta de possibilidades em sua vida. Na verdade o Treinador Carter, personagem principal e escritor do filme, nos dá muitas lições. E ele sempre perguntava ao jogador: "Do que você tem medo?" Não esperando uma resposta imediata, mas o fazia pensar em porque estava tão preso, do que ele fugia. Neste dia o jogador respondeu:
"Nosso maior medo não é sermos inadequados,
nossos maiores medos são de sermos poderosos além da conta.
É a nossa luz e não a nossa obscuridade que mais nos apavora.
Ser pequeno não serve ao mundo.
Não há nada de sábio em se encolher para que as outras pessoas não se sintam inseguras ao seu redor.
Nós todos fomos feitos para brilhar como as crianças.
Não está apenas em alguns de nós, está em todos.
Na medida em que deixarmos nossa luz brilhar, nós inconscientemente damos às outras pessoas a permissão para fazer o mesmo na medida em que nos liberamos de nosso medo. Nossa presença automaticamente libera os outros."

Perdi muitos anos com medo de ser poderosa além da conta e me encolhia para que os outros não se sentissem inseguros. Hoje não.
E você, tem medo de que?


Nome do filme: "Coach Carter"

sexta-feira, 6 de março de 2009

Você é confiável?

Confiança, confiança ...Como é necessário confiar e como está difícil hoje em dia confiar nos amigos, na namorada, no marido, no patrão, na empresa, no vizinho, nas instituições em geral – escola, igreja, governo, etc... até no pai e na mãe ficou difícil confiar, haja visto casos como os dos Nardonis e tantos outros de mães que jogam seus filhos no rio...

Mas o que determinava a confiança mútua antigamente? Creio que seriam as regras sociais, a honra (palavrinha sumida do dicionário do cotidiano), a vergonha-na-cara, a palavra dita, o nome colocado como penhor. As regras sociais determinavam “uma certa” tranqüilidade com relação às expectativas que deveríamos ter do outro. Mas a modernidade fez com que estas regras fossem derrubadas definitivamente e fez prevalecer o “ Eu quero”, o “Eu posso” e as regras sociais que serviam como fio condutor da sociedade e das relações passou a ser sinônimo de amarras e correntes. Porém o que de fato passou a enferrujar o sistema relacional vigente e até hoje é assim, foi o “Eu posso, o “Eu quero”. Quem regulava o comportamento do cidadão eram as regras sociais, hoje é a polícia, a justiça, muitas vezes nem estas(que deveriam ser a força) conseguem realizar seu propósito. Mas e nós, somos confiáveis? Você é confiável? Eu sou confiável?

Deus sabiamente nos diz em sua palavra que “Tolo é o homem que confia no homem.” Existem traduções em que diz: “Maldito é o homem que confia no homem”Jeremias 17:5
Portanto nunca há que se confiar no homem, em suas idéias, em suas opiniões, em seus valores pessoais. Somos pó (Gênesis3: 19). A única coisa em que podemos confiar de “olhos fechados” é em Deus. Esta palavra me valeu de muito. Confiava demais na opinião de minha mãe, julgava que tinha vivido mais do que eu e que por ser minha mãe, sempre queria meu bem. Confiei errado. Não é por culpa dela, ou por falha dela, é por que não somos confiáveis. Somos factíveis de erros. Fui tola, fui maldita pra mim mesma e pra outros também.

Portanto aquele amigo do trabalho que você tanto confia..., não é por culpa dele, mas ele não é confiável. Você também não é confiável. Só Deus é confiável. Isso nos dá uma margem de erro boa para os nossos relacionamentos. Isso nos torna possível perdoar e ser também perdoado mais facilmente.

A desconfiança é geral e tem gente que não confia nem em Deus. Jonas, aquele mesmo que ficou três dias na barriga do peixe porque tinha que ir pregar para um povo que era inimigo do seu, não confiou em Deus. Não aceitou que Deus decidiu não acabar com os ninivitas (povo inimigo do seu)e que os perdoou. Jonas não aceitou o julgamento de Deus e pediu para morrer. Muitas vezes não confiamos em Deus e o julgamos, não compreendemos suas atitudes. Esquecemos que Ele é Deus e que tudo sabe. Que é misericordioso e que entende profundamente a nossa natureza, por isso nos perdoa. Somente em Deus podemos nos arriscar, nos lançar.


Deus nos dá ensinamentos práticos para o nosso dia-a-dia. Aprendendo com Deus erramos menos e caminhamos em caminho seguro e plano.